quarta-feira, 22 de setembro de 2010

19 e 20/09/2010 - Pauleira e Calmaria em 20 Horas na Seival

O Troféu Seival teve neste ano uma categoria Bico-de-Proa para veleiros não-medidos, atendendo aos pedidos da turma dos barcos de cruzeiro. Foi a 40ª edição desta que é a mais tradicional regata da vela gaúcha, com um percurso de 90 milhas náuticas entre o Guaiba e a Lagoa dos Patos.
O "Monstro da Lagoa" assustou a turma
Aparentemente a turma dos cruzeiros se assustou com a previsão de ventos fortes ou com o temido "Monstro da Lagoa", ou ambos. No final tivemos pouquíssimos inscritos e entramos com o Friday Night para uma disputa que seria duríssima contra o veterano campeão Madrugada e o Catu, um Fast 395 do nosso amigo Marco Porto, vulgo Piu-Piu.
A tripulação concentrada na largada com vento fraco (foto: divulgação VDS)
Fomos com este comandante e os tripulantes Guili, Ferrugem, Barba Ruiva, Magrão Gói, Jorge e Guga, além de muitas picanhas e outros víveres a mais, que ninguém é de ferro. Como a duração de uma Seival é sempre imprevisível, sempre é bom estar preparado.
Mantendo a tradição de uma regata bem guasca, tivemos nesta mesma edição muita pauleira e também calmaria, primeiro um teste de resistência (nosso e do barco) e depois um teste de paciência.

A largada foi às 11:30 do domingo 19/09, na ponta do Gasômetro, com vento fraco e inconstante, muitas rondadas e buracos, o que durou até a altura da Ponta Grossa, quando o esperado leste/sudeste se apresentou, primeiro com média intensidade mas depois engrossando ao longo do dia.

Entramos na Lagos dos Patos às 17:40, já com o vento de leste puro pegando forte e a vela grande rizada, com rajadas de 30 nós, exatamente como antecipado pelos sites de previsão de vento (o http://www.windfinder.com/ é impressionante). O Madrugada desistiu em Itapuã, para evitar que uma pequena avaria se transformasse num prejuízo grande, enquanto que o Catu a essa altura estava bem atrás pois havia demorado para chegar no vento leste.
As 10 milhas até o farolete da Barba Negra foram percorridas em 1h08min, uma boa média para o través folgado, mas que já antecipava um chatíssimo contravento na perna até a ponta das Desertas, do outro lado da lagoa.
Orça sofrida
Para o trecho da orça colocamos o 2º rizo e a G3 trinqueta no estai intermediário, para deixar o barco mais macio na tradicional onda alta e curta da lagoa.
Olhem a carinha de faceiro do Guili no nosso contravento

Essa perna durou 4,5 horas e foi muito sofrida e chata, especialmente depois de escurecer. As rajadas batiam em 35 nós e ficava difícil de evitar as pancadas das ondas, que varriam a turma toda. Talvez para quem não conheça, a sensação mais próxima deve ser a de estar dentro de uma máquina de lavar roupas, em centrifugação.

Pelo menos a noite estava estrelada, com uma bela lua cheia e não muito fria, o que ao menos amenizava um pouco o desconforto. Nossos bordos foram bem arribados e terminamos sendo ultrapassados pelo Catu, que velejou melhor no contravento. A quilha deles de 2,30m parece ter feito a diferença.

Montamos a ponta das Desertas às 23:10, entrando em mais um través para a volta a Itapuã e ao Guaiba, já que a essa altura o vento já estava de E-NE. Em seguida da montagem da bóia ouvimos pelo rádio a desistência do Catu, que ia na nossa frente, por avaria no sistema de leme.

Entramos em Itapuã no início da madrugada e às 2hs passamos no cotovelo do Canal do Junco, quando entrei para dormir depois de timonear sem parar por 14,5 horas, apenas com alguns "pipi stops" pelo caminho. O barco estava um caos, muito molhado por dentro, após todas as lambadas e lavadas das ondas da lagoa.

Devo ter dormido umas 3 horas, apesar do ambiente não ser exatamente o Sheraton, só que nesse meio tempo o vento parou completamente e ficamos boiando contra a correnteza, sem nada que pudéssemos fazer a respeito. Amanhecemos na altura da Ponta Grossa, nos arrastando com uma merreca muito fraquinha. O consolo era ver que os barcos da outra classe, os regateiros da ORC, estavam logo ali na nossa frente, na mesma situação.

O amanhecer do 20 de setembro no Guaiba, ao fundo a ponta da Serraria

A chegada no farolete 134 foi às 7:53 da data Farroupilha, fechando uma das regatas mais "guasca" de que participei. Muito sofrimento e trabalho, nada mais apropriado para a data em que a gauchada comemora uma guerra que perdeu...

A brincadeira toda levou 20h23min, para mim a mais longa de várias Seival de que participei. O engraçado é que essa regata é sempre casca-grossa e sofrida, lá na pauleira da Lagoa dos Patos (que sempre tem!) a gente fica pensando "o que é que eu estou fazendo aqui". Só que depois termina e parece que o povo esquece tudo, então lá vai de novo no próximo ano.

A tripulação animada depois da noite mal dormida (ou não dormida) e 20h de regata


Terminamos ganhando na categoria Bico-de-Proa, em função da desistência do Madrugada e do Catu, que estavam na nossa frente quando sairam da regata. Em outra circunstância eu talvez até ficasse chateado de ser premiado por causa disso, mas depois até fiquei contente de ter chegado com a turma e o barco (o bolso agradece...) inteiros.



A sequência de videos mostra vários momentos das nossas 90 milhas em mais de 20 horas.

A balonada "light" após a largada ...
video

A passagem pelo Mandinga, já com o leste comendo...

video

A passagem no canal do Campista, em Itapuã...

video

A descida de través até a Barba-Negra (vai que é um Dodge!) ...

video

O por-do-sol na Lagoa dos Patos, no início do longo contravento...

video

Mais uma balonada, ao amanhecer no Guaiba...

video

A chegada, finalmente!

video